Após matar homem por ciúmes da mulher, assassino é preso em Manacapuru

Manacapuru – Um homem identificado como Rodrigo Mendes Gomes, de 36 anos, foi preso pela equipe da Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Manacapuru (a 68 quilômetros da capital), na manhã de segunda-feira (26), por volta do meio-dia, em cumprimento a mandado de prisão preventiva pelo crime de latrocínio, que teve como vítima um homem, de idade não informada.

De acordo com o delegado Rodrigo Torres, titular da unidade policial, a prisão foi realizada no bairro Morada do Sol, em Manacapuru.

Crime

O crime ocorreu no dia 3 de maio de 2019, no município de Novo Airão (a 115 quilômetros de Manaus). Na ocasião do crime, o suspeito avistou a vítima conversando com a mulher dele em um bar e, motivado por ciúmes, desferiu vários golpes de arma branca que atingiram o pescoço do rapaz. O autor ainda subtraiu o aparelho celular da vítima.  

Iniciamos as investigações e constatamos que Rodrigo estava foragido desde o ocorrido, mas depois de algumas diligências, conseguimos localizá-lo, momento em que cumprimos a ordem judicial que foi expedida em março de 2019, pela 1a Vara da Comarca de Manacapuru. O indivíduo confessou a autoria do delito”, detalhou a autoridade policial.

Procedimentos

Encaminhado à DIP, o homem irá responder por latrocínio. Após os procedimentos cabíveis, ele permanecerá custodiado na carceragem da unidade policial, à disposição da Justiça.

Os crimes movidos à paixão

O delito passional, como seria identificado o crime relatado nesta matéria, é identificado quando há uma relação amorosa ou sexual entre o autor do crime e sua vítima ou gerado pelo ódio ao amante do ser amado. Por isso, em linguagem jurídica são chamados de passionais.

Do latim passionalis, de passio (paixão), a expressão crime passional diz respeito ao que se comete por paixão. A expressão “homicídio passional” pode ser interpretada de duas formas. Na técnica jurídica da expressão significa dizer que é “a conduta de causar a morte de outrem, levado por uma forte paixão ou emoção”, ou seja, o homicídio praticado por ódio, inveja, ciúme ou intenso amor.

A segunda concepção da expressão enquadra-se no campo jurídico penal e traz a idéia da conduta do cônjuge traído que, por ciúme ou amor incontrolável ou desvairado, mata o cônjuge adúltero ou o amante deste. 

Os crimes passionais são ligados à paixão, e não ao amor. Isto porque, a paixão por ser muito mais intensa, gera sentimentos de ódio nos homicidas passionais.

Os crimes da paixão vêm ocorrendo constantemente na sociedade, apesar de não ser um crime novo e desconhecido, sempre assombra os envolvidos e a sociedade.

*Com informações do Portal Em Tempo